Estudo recebe prêmio de melhor trabalho em imunogenética

Um estudo coordenado pela professora Jeane Visentainer (foto), do Departamento de Ciências Básicas da Saúde (DBS), da Universidade Estadual de Maringá, foi premiado como o melhor trabalho em imunogenética durante o XVI Encontro de Histocompatibilidade e Imunogenética, realizado, em agosto, em Fortaleza, como parte do XX Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO).

Nós conversamos com a professora Jeane Visentainer, do Departamento de Ciências Básicas da Saúde (DBS), da Universidade Estadual de Maringá sobre o trabalho que vem sendo feito.

O estudo relaciona a presença de determinadas citocinas, como a Interleucina 17, na Doença de Chagas. Vale dizer que interleucinas são substâncias liberadas por células que controlam a resposta imunológica, suprimindo ou aumentando esta resposta, dependendo da forma clínica da doença. Um exemplo foi o estudo premiado, que mostrou uma associação de marcadores da resposta imune (Interleucina 17) com a forma mais grave da Doença de Chagas, a cardiomiopatia chagásica crônica.

Para desenvolver a pesquisa, Jeane e seus alunos orientados contaram com a participação de moradores das regiões sul e sudeste do Brasil como voluntários no estudo.

 

Confira a entrevista: